Entenda por que os combustíveis estão tão caros – Serra Dourada FM Ipirá – 91.5 Mhz

Entenda por que os combustíveis estão tão caros

 Entenda por que os combustíveis estão tão caros

Empty fuel warning light in car dashboard. Fuel pump icon. gasoline gauge dash board in car with digital warning sign of run out of fuel turn on. Low level of fuel show on speedometer dashboard.

Compartilhar

Os preços dos combustíveis nunca estiveram tão caros no Brasil. Gasolina, diesel e botijão de gás vêm batendo sucessivos recordes, mesmo considerando a correção de valores antigos pela inflação, desde o fim do segundo trimestre.

A escalada do preço nas bombas reflete aumentos promovidos pela Petrobras nos preços de suas refinarias. Apenas em 2021, a estatal já elevou a gasolina em 51%. Diesel e gás de cozinha subiram 38%.

Segundo especialistas, as altas refletem a recuperação das cotações internacionais do petróleo depois de terem derretido no início da pandemia, com forte auxílio do dólar, que desde o início da pandemia ficou abaixo de R$ 5 apenas por sete dias, em junho último.

Apenas em 2021, a cotação do petróleo Brent, referência internacional de preços negociada em Londres, subiu 36,5%. Já o dólar se mantém mais estável, com alta de 1%, destaca o presidente da Abicom (Associação Brasileira de Importadores de Combustíveis), Sérgio Araújo.

Petróleo e dólar são elementos básicos na política de preços dos combustíveis da Petrobras, que simula quanto custaria a venda no Brasil de combustíveis importados dos Estados Unidos, um conceito conhecido como paridade de importação.

Nessa conta entram também os custos de transporte e desembarque dos combustíveis no Brasil e a margem de lucro que a estatal teria na venda dos produtos importados. Com base nesses indicadores, e de olho nas importações por concorrentes, a área técnica da estatal decide por mexer ou não nos preços.

Essa política foi formalizada na administração de Pedro Parente, durante o governo Michel Temer, e vem sendo mantida no governo Jair Bolsonaro com algumas pequenas variações na frequência dos reajustes — a gestão do general Joaquim Silva e Luna tem respeitado prazos maiores do que a anterior.

O preço da Petrobras representa apenas uma parcela do preço final, que tem ainda impostos federais e estaduais, margens de lucro de distribuidoras e revendedores e, no caso da gasolina e do diesel, a parcela relativa à adição de etanol e biodiesel.

Atualmente, a participação da estatal representa 33,6% do preço final da gasolina, produto que tem maior incidência de impostos. No diesel, a empresa fica com 52,4% e no botijão de gás, com 48,2%.

Embora o presidente Jair Bolsonaro tente culpar governadores e outros elos da cadeia de distribuição pela escalada dos preços, a comparação entre os preços atuais e aqueles vigentes na última semana antes de seu mandato iniciar mostram que a maior pressão veio mesmo da parcela dos combustíveis.

No caso da gasolina, as maiores pressões foram exercidas pela própria gasolina (pura) e pelo etanol anidro, que é misturado ao produto final, que hoje pesam bem mais no preço final do que antes do início do governo. Impostos estaduais e margens perderam participação no período.

O quadro é semelhante quando se analisa os números do diesel, também pressionado pelo biodiesel, e do gás de cozinha. Em ambos os casos, a Petrobras passou a representar uma parcela maior na composição dos preços finais e as margens caíram. A parcela do ICMS ficou praticamente estável nos dois casos.

Isso não quer dizer que não houve aumento no valor pago de ICMS em cada litro. O imposto é calculado sobre um percentual do preço final de bomba e, portanto, acompanha as variações desse preço. A cada 15 dias, os estados definem um valor de referência, com base em pesquisas nos postos, para cobrar o imposto.

O modelo de cobrança é criticado pelo governo e pelo próprio mercado de combustíveis, por retroalimentar a alta nos postos: quando o preço de bomba sobe, o governo estadual aumenta o valor de referência, gerando outro reajuste no preço de bomba.

Mas, ainda assim, esse movimento só ocorre após aumentos nas refinarias, que vêm seguindo em 2021 a recuperação das cotações internacionais.

“Tudo, absolutamente tudo, é em função dos preços internacionais das commodities”, diz o consultor Dietmar Schupp. “A gasolina e o diesel; o etanol em função dos preços da gasolina e do açúcar; e o biodiesel em função do preço do diesel e da soja.”

“Vivemos um cenário de aquecimento e retomada da economia asiática, seguida pelos Estados Unidos”, diz o presidente do Sindigás (Sindicato das Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo), Sérgio Bandeira de Mello. “Vale para soja, milho, petróleo, propano [o gás de cozinha], que a China usa em sua indústria petroquímica.”

A cotação do petróleo, porém, já esteve bem mais alta do que a atual. Em 2018, chegou a bater os US$ 150 por barril, mais do que o dobro das cotações atuais, em torno dos US$ 70. Mas no fim daquele ano o litro de gasolina girava em torno de R$ 5, em valores corrigidos pela inflação.

Parte dessa diferença de quase R$ 1 em relação ao preço atual é explicada pela desvalorização do real. Foi a moeda que mais se desvalorizou frente ao dólar após o início da pandemia, como resposta à queda na taxa de juros e ao aumento da percepção de risco por parte dos investidores.

Diante dos efeitos da escalada inflacionária sobre sua popularidade, Bolsonaro demitiu o presidente da Petrobras, zerou os impostos federais sobre o gás de cozinha e suspendeu por dois meses os mesmos impostos sobre o diesel.

Em outro movimento nesse sentido, editou medida provisória liberando a venda direta de etanol entre usinas e postos e autorizou postos a venderem combustíveis de outras marcas, alegando que a competição pode forçar os preços para baixo.

Nenhuma das medidas, porém, surtiu efeito: o novo presidente da estatal prometeu respeito à política de preços e o desconto da carga tributária acabou sendo engolido pela alta de outros componentes do preço. Para o mercado, a liberação de restrições à venda de etanol e gasolina também terá efeito limitado.

E, embora os preços das commodities tenham cedido um pouco em agosto, a expectativa do mercado é que o petróleo volte a subir, operando em um patamar entre US$ 70 e US$ 80 por barril. O banco UBS, por exemplo, vê um “aperto estrutural” com a retomada do consumo sem aumento da produção e mira US$ 75.

Nicola Pamplona/Folhapress

Comentários